quarta-feira, 13 de agosto de 2014

Microconto acidental

"Ficaram se acariciando no corredor do distrito. Casal apaixonado, mas que vai ficar um bom tempo separado porque seguem para presídios diferentes (...)"

Parece um microconto, mas não é não. É mais uma das "histórias da vida real que superam a ficção".

segunda-feira, 4 de agosto de 2014

O descarte


A receita é simples.

Primeiro procure uma caixa de papelão bem grande e estruturada. Agora as caixas de TV são estreitas, não servem. Nem as de fogão, que são molengas. Pegue a caixa bem montadinha ainda, e coloque uma lona plástica (obviamente sem furos) por dentro. Em loja de autopeças você acha uma caixa ideal. Se aguenta peças de metal, suporta os 65/70 quilos que você estimou.

Enche o fundo da caixa com fraldas descartáveis. Compre uns pacotes da barata, mas recorte e tire as laterais feitas pra prender no bebê. Aquilo só serve pra atrapalhar e o que vale é a parte absorvente.

Com o que sobrar da lona plástica (compre bastante, de vinte metros pra mais) forre o chão. E use uma faca resistente, bem afiada ou de serra (mas se prepare que faca de serra faz mais espirração). Corte nas juntas, onde tem cartilagem. Vai procurando o caminho com a faca. Faca bem afiada acha o caminho sozinha. Olha, vai cansar e dar calos nas mãos. Você vai tomar um suador.

Aproveitou tudo que queria, tem certeza?

Então vai encaixando as partes no fundo da caixa deixando o mínimo de ar possível. Quando acabar, feche bem a lona plástica com fita adesiva grossa (isso, aquela das casas de embalagem), preenche os espaços vazios com bolinhas de isopor ou o que sobrar das fraldas, lacre bem a caixa, passando repetidas camadas da fita adesiva (não economize).

Aí sim você pode despachar. Mas atenção, não envie por sedex que fica caro e fiscalizam. Mande por transportadora. Até amanhã te arrumo uma nota fiscal fria de açougue. 

:: 04.08.2014 ::

sexta-feira, 25 de julho de 2014

Aulinha bacana pra refletir no dia do escritor


Miniconto, microconto... são terminologias distintas ou a mesma coisa?

Na nossa opinião há uma diferença. Mas o que o professor fala aí tem todo sentido. É o que a gente vende mundo afora.

Via Eduardo Oliveira

quinta-feira, 5 de junho de 2014

Lançamento do MiniContos Perversos 2 - nosso novo livro #EditoraInVerso


Neste sábado, em Curitiba.
Serão servidos uns vinhotes, que é pra vocês não terem que aguentar sóbrios minha agradável companha. Cheguem cedo antes que eu empacote.

Para quem é habituê deste amado blog, é bom saber que além de uma safra de contos inéditos (guardados especialmente para o MCP2), os já publicados aqui foram retrabalhados para o novo formato. Tenho certeza que vocês vão adorar.

segunda-feira, 19 de maio de 2014

Conta a sua que eu conto a minha

Marcelle era menina bonita, universitária, morava com a família, mas alguma coisa nela incitava que no calor da transas com o Zé soltassem o verbo em obscenidades. Como de bobo ela nunca teve nada, foi puxando as fantasias para o lado do ménage à trois (ménage do tipo bom antes que alguém pense besteira).

E como ela só exigiu que a escolhida não poderia ser ex-namorada nem amiga dela, naquela sexta o Zé resolveu colocar a fantasia em prática. Marcelle chegou depois da aula na casa dele, horário de sempre, e foi pro banho, tempo certo da "surpresinha" entrar e sentar na beira da cama (sem avisar dá mais emoção).

Ele deixou a garrafa de vinho ali perto, pois seria preciso quebrar o gelo. Mas nem foi o caso. Marcelle saiu do banheiro de toalha, e foi assim mesmo que, sem dizer palavra, olhou de relance para a escolhida e foi embora. Sem a namorada, a escolhida não teria serventia, ao que o Zé morreu com os noventão e a despachou (sim, sempre um romântico).

Será que Marcelle percebeu fácil assim que debaixo daquele shortinho apertado havia um detalhe extra, que o Zé fez questão, quando da seleção, de medir e ver se não era maior que o dele?

:: 19.05.2014 ::

quarta-feira, 16 de abril de 2014

Nossa entrevista no blog Déa e o Mundo

A Déa usou da influência que ela tem sobre mim pra me tirar as tripas numa entrevista. Leia aqui

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

A história do pai que levou o filho brincar de Superomem

O povo diz levou o moleque junto pra destruir de vez a mãe, a porrada final. Um ato de egoísmo extremo. Penso diferente. Foi um tremendo ato de caridade. Ele poupou o moleque de passar o resto da vida à sombra do monstro que era o pai. Ou pior: de se tornar um monstro igual.

segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

Tudo pode terminar bem

A luz matinal me acordou e tive a sensação de uma lâmina atravessada na cabeça. Como percebi o sol que entrava muito forte e alto, estremeci por achar que estivesse atrasado. Então lembrei da grande festa de ontem, que era sábado.

Virei para espreguiçar tranquilo e percebi que não estava sozinho. Sensação sempre desconfortável. Quem será? Por que será?

Abri os olhos com dificuldade e me virei tenso como quem não lembra como terminou a noite. A luz incidia sobre ela valorizando cada traço delicado do rosto. Ela abriu os olhos meio borrados e sorriu. Como alguém pode acordar linda desse jeito?

Segundo momento de desconforto nem um pouco amenizado pela dor e pressão na cabeça. Qual o nome dela? O que fizemos juntos noite a dentro? Mexi o corpo no lençol, percebi que estava nu. E ela? Me abraçou como quem estava ali não porque me queria, nem como quem queria alguma coisa de mim, abraçou simplesmente por estar feliz: “Bom dia, lindo!”

Cabelos longos e alinhados, pele macia, olhos brilhantes, calcinha pequena de algodão, os seios apontados roçando meu peito. Sensações agradáveis que me fizeram esquecer um pouco a ressaca. Admirei aquele momento como quem, perdido em dívidas, sorve um objeto do desejo inalcançável. Eu tinha dúvidas, e algumas dívidas, mas que deixaram de importar.

:: 08.01.2014 ::

segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

Nunca aconteceu comigo (versão para o leitor comum)

O Zé conheceu a eleita na noite de sexta, barzão escuro, todo mundo excessivamente biritado. Acordou no apartamento dela, se despediu todo romântico na cama. Não lembrava bem como rolou, mas sabia que tinha rolado.

Trocaram mensagens no decorrer da manhã, combinaram de almoçar. Antes de sair tomou banho, se perfumou e me ligou para pagar um sapo: Não quis sair ontem, né, bunda mole. Fui no Birinights e conheci uma gata meio gótica. Fodemos a noite toda. Agora vou almoçar com ela. Vai ser uma feijuca romântica.

Eu estava enrolado mesmo. E nunca fui fã da fauna daquele boteco.

Quando o telefone tocou de novo antes de eu terminar minha sobremesa de sábado (sagrada), pensei que seria o Zé reforçando a esculhambada. Era ele sim: Cara do céu, passei na casa da menina. Quando abriu a porta achei que era alguém que morava com ela. Cheguei a perguntar por ela. Aliás, não tinha nada de menina, nem de gata. Eu devia estar ainda bem bêbado quando acordei. Imagina meu estado no boteco...  E como desconversar depois de umas cinquenta mensagens românticas e de combinar o almoço? Fiz o que você ensinou. Corri para o banheiro, forcei uma vomitada e disse que ia para o posto de saúde.

:: 08.01.2014 :: Isso de "versão" está melhor explicado aqui.