terça-feira, 7 de abril de 2009

Dói, inflama

Entre uma ligação e um impulso de ligar de novo, uma mensagem aparentemente sem pretensão e mais uma ligação não atendida por ela, ele olhou a lua, tomou mais um gole, pegou um guardanapo e rabiscou:

você é como um corte no meu corpo
que esqueço e desaparece
como se nunca estivesse ali
mas às vezes não sei por que
esfrego com os dedos
até o sangue fluir

e sobre você me desdenhar
tenho, sim, uma coisa a dizer
até parece que seria sua a escolha
cheio de despeito, eu sei,
mas eu é que não ia querer

:: 20.01.2009 :: sobre poema de 26.03.2003

51 comentários:

Altavolt disse...

Quantas dores e inflamações dessa natureza já vivemos. É o mais provável de acontecer nesse mundo.

minicontosperversos disse...

é alta.

e inauguramos um novo formato mais... lírico

novas possibilidades

Cacau disse...

Gostei!!! Realmente me identifiquei.
Parabéns Gu!!!!!

Alessandro disse...

O segredo é não coçar.
Mas como é difícil!

Vampira Dea disse...

Toma um antibiótico.

Carol___ disse...

Sensacional!
Nos faz sentir o que descreve, como se estivéssemos vivendo...
Beijos

Mulher Objeto disse...

Hum... Pensando e metabolizando.

Vampira Dea disse...

Se quiser meu blog está a sua disposição para divulgar o seu livro.

Única e Exclusiva disse...

Dói se lembrar, então porq lembrar?! Não vale a pena inflamar!!

Bjos ú&e

Toninho Moura disse...

Pasquale diria: é isso!

Fátima disse...

teu cérebro e criatividade realmente fervem....
Adorei o conto. Parabéns!

Pedro J. disse...

É amigo, para nós, sujeitos que podemos ter a mulher que desejarmos, a hora que quisermos, dói sermos desprezados, justamente por uma garota que não teria nada de mais se comparando com outras, mas que, por um motivo que ninguém consegue explicar (nem a gente mesmo), mexe profundamente com algo dentro da gente. Aí viramos manés mesmo. Ligamos para ela (no maior despeito) só para dizer que a gente lamenta, mas que ela não significa nada e acha que fez grande coisa. Então passa uma semana, duas e nada, nenhuma reação da gata. Num ato impulsivo, ligamos de novo, com aquele ar de superioridade, para dizer que "apesar de tudo, gostaríamos de ser amigos dela" e escutamos, desesperados, aquela voz macia a nos dizer, com ar todo compreensivo: "amigo, vira a página. Eu já virei há muito tempo". É. Orgulho de macho ferido dói. Inflama. E demora para cicatrizar.

DIZDIZENDO disse...

Eu acho que vc quer, sim!! O doce prazer do masoquista...

A Senhora disse...

Meu ombro já serviu para alguns choros doloridos, todos inflamados...
O mais sentido que já vi, já se foi, e por ela tenho o maior respeito e carinho do mundo.

Mel disse...

Sabemos que não devemos, mais é inevitável não coçar; e quanto mais coçamos, mais coça e maior se torna a dor, e a inflamação; e quando se cura e para de coçar, e desinfama torna-se cicatriz e para de coçar e de doer e de inflamar, mais fica ali, marcada se torna inesquecível - eu pelo menos me lembro de como cada uma surgiu...

Loirinha Mel disse...

Coitado do carinha. Não entendeu que a escolha foi dela sim.

maria disse...

Ai, desculpe esculhambar seu lirismo e sua poesia, mas me veio uma memória muito especial - minha irmã assistia a programas da TV Educativa quando era criança, e uma vez, num destes programas, alguém falou: "não se deve cutucar as casquinhas" (dos machucados, óbvio). E até hoje quando uma pega a outra fazendo algo parecido (no sentido próprio), repete a frase e caímos na risada.

Belo poema. Quem nunca não?

Sininho disse...

A gente tenta, tenta e tenta mas tem uma hora que cansa, você vê que não vai para frente, que não adianta ficar insistindo e acaba desistindo de vez.

Dói muito, mas não adianta ficar martelando em um coisa que sabe que não tem futuro.

♪ Lorena disse...

huuuuummmmm....

ai, dorzinha boa!

Luciene de Morais disse...

Não é ela... não é o outro... é a nossa falta. A nossa incompletude, sempre presente, recorrente.
Não há nada de especial nesse alguém, a não ser... o fato de não sermos especiais ou relevantes, ao menos. Isso é que dói.
Humano isso, que todo mundo sente, quando acredita-se desprezado.

Luciano disse...

Grande Gus. A narrativa ficou na medida, o ritmo, ótimo. Parabéns por mais esse mini-conto. Perverso, mas também muito lírico.
Abração meu velho.

Anônimo disse...

E o conto do dia 26.03? acho onde... mensagens cifradas? melhor do que o lirismo poético (sensacional) são os comentários. Impagáveis como complementação. O que dizer do comentário da Lorena? Bildoati Lives

Sweet Toxicant disse...

Tudo que não se cutuca, sara mais rápido, com certeza.
Mas e vc ver aquela coisa ali, coçando, em relevo.. você QUER e VAI cutucar.
Mas é melhor não. Definitivamente.
Hehehehe!
Ótimo texto!
Beijos, moço.

minicontosperversos disse...

alta - somos uns eternos românticos sofredores; sinceridade, torcemos pra passar por mais umas dessas (medo de o coração endurecer)

clau - vc sim é uma romântica

alessandro - em certos casos, impossível

vampiradea - na pior das hipóteses um anti-inflamatório, bela; antibiótico, só se for com bichinho (infecção); a clau ali em cima entende do assunto

sobre o blog, será um GRANDE prazer ter o livro divulgado lá; assim que o MACACO terminar as ilustrações a coisa vai pra frente

carol___ - uma incógnita? onde tá o link prum blog? imagina nos ouvir falar, hein?

mulher objeta - pensamentos vindo de vc... perigosos

ú&c - como se fosse voluntário... é involuntário!

toninho - o pasquale chega com o coelhinho no domingo

fátima - assim ficamos sem jeito; mas que seja chaleira

pedro j - meu caro... falou E DISSE TUDO; vc praticamente traduziu para uma linguagem documentário/jornalística o que tentamos nas poucas linhas em prosa e verso; aquelas duas semanas é que mata(va)m

percepção de quem já refletiu no boteco!!! mostra a cara, amigão!

dizdizendo - queremos não

sra. mirian - eita ombro bom! quando (e se um dia) precisarmos, prepara as toalhas

mel - compartilha, querida; cada uma fica como uma tatoo

loirinha mel - claro que foi; ele é que era um despeitado; a escolha é sempre de vcs

MAS VEJAM SÓ, MEL ESCORRENDO NO MCP - uma mel atrás da outra

maria - não vindo e não sendo por cutucar A NOSSA casquinha, pode rir a vontade

sininho - se de cutucar já dói, imagina martelando!!!!

lorena - dorzinha boa É OUTRA

luciene - a pior perda é aquela de alguém que nunca existiu; sim, a incompletude ou a auto-ilusão; só quem aprende a viver sozinho tem a habilidade de ser feliz; mas às vezes, muito às vezes, como diz o conto... DÓI, INFLAMA

luciano - falou; percepção de quem já refletiu no boteco [2]

anônimo - o poema foi escrito lá em 26.03.2001, e publicado só agora; e a lorena, bem... ela sabe o que faz

e esse povo que comenta aqui está cada vez melhor! qualquer hora deixamos o blog só pra eles!

sweet tox - como se fosse voluntário [2]

Pedro J disse...

As duas semanas de inércia mortificante não é o que há de pior meu irmão. O fundo do poço é depois de tudo isso, você (naquele dia em que o copo não parava vazio), já sem trava nenhuma, volta a ligar e quem atende?

minicontosperversos disse...

uma voz grossa, meio que acordando?

DEUS NOS LIVRE E GUARDE; AÍ É O FIM

Pedro J disse...

Uma voz grossa, meio que acordando E MUITO CONHECIDA SUA! Esse é o fim.

Altavolt disse...

Pedro e Gustavão - Resolveram descer mesmo ladeira abaixo pro fundo do poço das desgraceiras dos homens, hein? Na linha quanto pior, melhor!

Pedro J disse...

Na linha "Dói, inflama". Tópico proposto neste conto.

minicontosperversos disse...

Aquele que ela jurava que era SÓ UM GRANDE AMIGO

ou

AQUELE com quem você afogava as mágoas e inseguranças numa mesa de boteco

++++++++

Depois de uma dessa o jeito é formar uma dupla BLUESaneja

Pedro J disse...

Só. Pior que isso só chute nos bagos.

minicontosperversos disse...

É isso aí. O negócio é compartilhar as mágoas e estreitar os laços corporativistas.

Agora, se um dia alguém teve a esperança de que o amigo leitor Pedro J sairia do anonimato, PODEM TIRAR O CAVALIUNHO DA CHUVA.

Esses ncomentários já valeram as cervejas de hoje à noite. E serão MUITAS.

Pedro J disse...

Mostrar minha cara depois da declaração de corno que eu deixei aqui? Saúde.

Ce disse...

Ô dó!
Ainda bem que mulher pra consolar é o que nunca falta numa horas dessas...
E logo cicatriza de novo...

Alessandro disse...

Alter ego Pedro J.. Hmm...

Vampira Dea disse...

Garçom aqui nessa mesa de bar você já cansou de escutar...

Fernando Ramos disse...

Os versos vieram no momento certo.

Minha auto-identificação com eles: "mas às vezes não sei por que
esfrego com os dedos
até o sangue fluir"

Única e Exclusiva disse...

Vc's gostam de sofrer mesmo, rs.

Corno pra vc's é pouco, dedos podres, rs.

Única e Exclusiva disse...

♪♫ Um dia eu vou estar á toa
E você vai estar na mira
Eu sei que você sabe
Que eu sei que você sabe
Que é difícil de dizer
O meu coração é um músculo involuntário
E ele pulsa por você
Um dia eu vou estar contigo
E você vai estar na minha ♫♪

Você Vai Estar Na Minha / Pitty

Única e Exclusiva disse...

Errata: Sorry, não é Pitty e sim Negra Li.

BitterSweet disse...

Melhor do que a dor, melhor do que a inflamação, é com certeza apertar tudo e ver o pus sair!

Sininho disse...

"Na certeza que um dia, ficaremos numa boa..."

Anônimo disse...

dói, sim.

minicontosperversos disse...

pedro J - pois é amigo; 100% de acordo; cheers!

ce - como disse o pedro j, lá no começo, "para nós, sujeitos que podemos ter a mulher que desejarmos, a hora que quisermos, dói..."

alessandro - um verdadeiro mistério; quem será? mas que o cara sabe das coisas, sabe

vampiradea - ah... não desenterra essa... somos mais um lance ÿou time is gonna come"

fernando - você é outro romântico, cara; dos grandes, como a gente; e esse excesso de romantismo dificilmente cabe numa só, e elas raramente reconhecem isso

ú&e - mulheres como vocês é que nos fazem sofrer; e vc está "sorried"; "eu sei"

bitter sweet n- vc é uma sádica incorrigível

sininho - de onde é essa entre aspas?

anônimo - mas passa; nada como uma depois da outra

Sininho disse...

É a continuação da música que a U&E postou.

Com certeza, nada melhor que substituir um vaso quebrado por um novo, só assim para esquecer.

Vampira Dea disse...

Não importa! Dor de corno é uma só. Chique ou brega... Agora o que muda são os tipos de cornos.
De Homens e mulheres
Surfista:
Sabe que é corno e ainda tira uma onda.
Gelol:
Não basta ser corno. Tem de participar.
Cuscuz:
Vê e abafa.
Salsa e merengue:
Vê a mulher com três e grita:
-ÊÊÊÊÊPA!! Um , dois, três!!!
Corno 120:
Vê a mulher fazendo um 69 e vai ao bar tomar uma 51.
Atleta:
Sai para jogar futebol e o Ricardão chega para encher a bola.
Elétrico:
- Sua mulher está te traindo.
- Tô ligado, tô ligado.

Anônimo disse...

"... às vezes te odeio por quase um segundo, depois te amo mais..."

Anônimo disse...

Desculpa aí fazer a ferida sangrar um pouquinho mais, mas o comentário do Pedro J (?) me fez lembrar uma música da Rita Lee chamada A Fulana, que diz mais ou menos o seguinte:

"Seu amigo é um cara bacana
E sempre foi a fim de mim
Você não, não, não pense
Que é tão bom de cama
Sua fama é assim, assim
Você não sabe
Você não é mau
Mas seu amigo é bem mais legal
E não esqueça que agora sou eu
A namoradinha de um amigo seu."

Foi mal aí Pedrão, mas diante o relato, foi impossível não recordar.

Joana.

Pedro J disse...

Valeu Joana. Agradeço de coração. Gustavo, my friend, teus leitores são tão perversos quanto você mesmo. Hoje quem vai beber todas sou eu.

minicontosperversos disse...

sininho - vcs já estão fazendo coralzinho é?

vampiradea - esqueceu o SÁBIO; quando chegam ë entregam, ele fica repetindo: "Tô sabendo, tô sabendo"

mas na real, o cara só é corno mesmo se sabe e não age 9ou faz de conta que não sabe); quando o cara descobre e toma providência (não a cachaça de buenópilis), ele não é corno; simplesmente foi corneado

anônimo - alguma coisa me diz que o herbert não falava disso quando compôs, mas que se aplica...

anônima joana cruela - mas que maldade; e o boberto (com B mesmo) de carvalho nessa?

pedro J - são mesmo, amigão; eles judiam da gente de vez em quando; diz aí onde é o boteco que afogamos juntos

transfusões .:. disse...

Eita que porrada boa esse conto! E tem o lirismo de um poema! Gostei daqui, Gustavo! Sério msm! Vou ler outros contos.

P.s: é a Nanda_Lym, via tuiter. :)