quinta-feira, 23 de abril de 2009

Retiro espiritual de Carnaval

É isso aí, pessoal, o Altamir deu sua "catucada" no formato MCP, e como sabemos das desventuras dele e dos amigos como "rollinbund", tínhamos plena certeza de que ali havia muitas histórias boas pra serem contadas. Sem falar na habilidade do amigo de escrever, que está patente lá no blog Altavolt. Agora vamos parar com os confetes e partir pro que é importante.

Lá pelos idos de 1993, os dois sujeitos já a caminho dos trinta ainda continuavam solteiros. Tímidos, tudo o que queriam era fornicar, mas não sabiam como. Foi aí que um deles conheceu uma garota pertencente a um grupo intitulado Humanistas. Foram convidados para alguns eventos da trupe, e como viram um grande índice de participantes mulheres, e ainda por cima, bonitas, foram se achegando. Estava se aproximando o Carnaval e os dois “pastéis” foram chamados para um retiro espiritual com o grupo. Imaginando tudo o que poderia rolar com a mulherada, aceitaram de bate-pronto. Na sexta-feira marcada para a viagem, se reuniram na sede do Movimento, no centro de São Paulo, e a ansiedade dos dois era tanta que foram os primeiros a chegar ao local. Um deles, muito prevenido e otimista, levava umas 30 camisinhas no bolso da jaqueta. As bagagens dos participantes do retiro formaram uma montanha de malas e mochilas na entrada da sede e, como os dois haviam sido os primeiros, as bolsas deles estavam por baixo de tudo. Foi aí que perceberam que a predominância era masculina e, pior do que isso, de gays. As poucas mulheres já chegavam trazendo os sanduíches e bolos para a festa. Desesperados, os dois incautos começaram a maquinar como sairiam do imbróglio. Estavam apenas aguardando as Kombis que os transportariam. Nisso, um membro do grupo informa que já havia uma perua estacionada lá embaixo. Um dos dois mergulhou na montanha de bagagens, pegou a sua e a do comparsa e saiu correndo, avisando a todos que iria garantir o lugar na “kombosa”. O outro se tocou e também saiu em disparada pelas escadarias do prédio antigo. Ganharam a rua e correram ainda por uns cinco minutos até se sentirem livres do “perigo”. Chegaram esbaforidos ao Metrô. O das camisinhas notou que as tinha perdido na correria. Só aí se deram conta de que ainda eram dez horas da sexta de Carnaval. Como ficaria ridículo voltar para casa, deixaram as bolsas no guarda-volumes da rodoviária e passaram a noite toda enfiados num inferninho chamado Love Story.


-->

25 comentários:

Vampira Dea disse...

kkkkk. é isso que dá ir com muita sede ao pote. Mas afinal eles não queriam experiências de carnaval? kkkkkkk.

Altavolt disse...

Obrigado pela gentileza, caro Gustavão! A família empenhada agradece a grande honra de ser publicado em um blog tão produtivo e querido como o MCP! Abraço!

A Senhora disse...

Cara, eu sempre odiei retiro espiritual no carnaval. O seu, com certeza, foi inesquecível, mesmo! :)))))))

beijinhos

Meyviu disse...

Po Gustavão, acho que já ouvi falar dessa tal de Love Story, parece que é boa...

maria disse...

Cara, que SORTE terem conseguido escapar a tempo. Certamente o Love Story deve ter sido mais proveitoso, carnvalescamente falando.

O que um rabo-de-saia (hífen?) não faz, né não?

A historinha me fez lembrar de uma fulana que um dia foi fazer uma aula experimental de "biodança"... só que o peixe que venderam pra ela era jacaré, e pra virar aquilo que começa com sur e termina com uba, só faltava tirar a roupa.

Sweet Toxicant disse...

Hahaha! Ótima história! Imagino o medo dos dois tímidos rapazes correndo o máximo que as pernas podiam pra fugir do "enrosco"..rsrs.

Eu detesto carnaval, festa de carnaval, qualquer coisa relacionada a carnaval... mas não tem um motivo específico.. acho que é mais porque eu tenho uma tendência natural para ser do contra. Tudo aquilo que deixa a TODO O MUNDO afoito, eu não gosto.

Mas enfim.. A Love Story continua ativa até hoje! Na verdade, eu só passei a conhecê-la recentemente... Na época dessa história, eu tinha apenas 10 anos de idade.. Mas volta e meia eu vou lá com minhas amigas... tem um público, digamos, bem variado. Mas é bem tranquilo. E por incrível que pareça, eu que ODEIO carnaval, fui lá na Love Story no carnaval (já que estava sem grana pra viajar) e adorei a festa! O local é bem animado.

Altavolt disse...

Maria, era justamente a situação vivida pela sua amiga que nós queríamos!!! Pena que não conseguimos! Beijo!

Altavolt disse...

Queridas Maria e Sweet Tox: Será que estamos falando da mesma Love Story? A dos nossos heróis fica no centro de São Paulo, numa região, digamos, não exatamente familiar! rsrs...

Sweet Toxicant disse...

Acho que sim... perto da estação do Metrô República, não é?
A que estou falando é essa... e realmente não é lá uma região muito "familiar"... geralmente ela é a balada de fim de balada, como costumam chamar... começa a ferver a partir das 3h da manhã.. e vai até as 10h. Mas eu geralmente fico por lá de 1h às 7h... hehehehe

maria disse...

Meu caro, eu tô falando da que vc tá falando... nem imagino o que possa ser, hehehe

Mas pelo teor do conto, e pelo nome do estabelecimento, formulei cá os meus juízos!

Única e Exclusiva disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkk

Que babado! Muito boua está história, eles devem rir até hoje deste episódio. Cada uma que homem se mete pensando com a cabeça errada, rs. Afoitos.

Bjos meu queridissimo Alta [ainda espero pelo jogo de poker, rs] ;*******

Carol___ disse...

Putz... que situação... Foi por pouco, hein? risos... Mas ainda bem que conseguiram escapar, se divertir e aproveitar! E, com certeza, esta história deve ter rendido boas risadas depois...

Altavolt disse...

Sweet e Maria: E não é que as duas sabem mesmo do que eu estava falando! Danadinhas!

U&E: Pensar com a cabeça errada é uma constante na nossa vida!
Esse poker diferenciado é tudo o que posso querer! rsrs

Carol: Com certeza, a diversão foi muito maior do que se o plano inicial tivesse vingado!

Sininho disse...

Aaaaa, esse poquer hein Alta, vc não esquece, rsrs!!!!

Jairo Souza disse...

Salvos pelo gongo, ops! Pelo Love Story! O q seria de um carnaval sem uma ação pecaminosa? ai! eu disse isso! Me contaminando aqui!

minicontosperversos disse...

sabemos qiue o conto é do alta (será que ele era um dos dois malandrões?), mas vamos arriscar noissos comentários

vampiradea - pois é, bela, mas nada que doa as partes em que a mamãe passou talquinho

alta - que é isso, amigão; o conto tá bom demais

sra. mirian - retiros espirituais são péssimos em qualquer circunstância; fora aquela da fantasia dos malandrões

meyviu - pelo nome, deve ser uma casa supimpa; só perde de uma que vimos no sudoeste do paraná, na beira de uma rodovia: CARINHO DA ESTRADA

maria - conversa mais coma fulana e descasta O SEU MCP de contribuição, oras!

sweet tox /alta - contem mkais detalhes dessa love story que tá gentando polêmica; tá mais pra chupa-esfrega, desmanche, whiskeria, drinks for man ou o que?

ú&e - não se trata de pensar com a cabeça errada, mas de fazer planos

carol___ - puxa... continua incógnita...

jairo souza - o que seria da VIDA sem um monte de ações pecaminosas???

Altavolt disse...

Gustavão, na época, o Love Story era uma espécie de drink for man, recheado de dançarinas seminuas pululando nos colos afoitos dos fregueses! Som mela-cueca e shows de strip-tease...Querendo e ... pagando, o cabra podia subir com alguma menina... Ou seja, um autêntico lupanar, um rendezvous, uma casa de tolerância! rsrs...Abraço!

Mulher Objeto disse...

Pôoooxa mas pelo menos no fim eles acertaram, o Love Story é the best! Amo, nada mais cult/decadente do que curtir o Carna lá!

Sweet Toxicant disse...

Hahahahaha!
É, Alta.. mas hoje lá está beeeeem diferente!
O som é eletrônico (Tecno, Psy, etc), existem ainda essas "meninas" mas já são minoria.. o público é bem variado... mauricinhos, patricinhas, homos, heteros, uma galera mais descolada, gente fresca... tem de tudo lá... e o andar de cima é livre também... enfim, é só uma danceteria agora, mas bem animada. No carnaval ainda fiz amizade com um travesti chamado Cibele gente finíssima, de 1,90 de altura.. hehehe!

Larissa Santiago disse...

como a gente diz por aqui: "se lenhô"
:P

minicontosperversos disse...

alta - palavras lindas... lupanar, randevu... então, segundo as meninas aí, o lugar se modernizou!!! e ficou cult

a pergunta que não quer calar: um dos PERSONAGENS... SUBIU?

mulher objeto - bem, na próxima vez que for convida a gente tá?

sweet tox - imagina um traveco de 1,90m com um saltão 20 hein? fotoggrafou?

larissa - ah... pelo menos eles foram na love story

Altavolt disse...

Não, Gustavão, a gente ficou no maior idílio com as moças (Coisas que só os Rollinbunds fazem!), só namorandinho!!! É, mole? (É mole, mas sobe!)Lembro que uma delas dizia estar esperando o "namorado" e, enquanto isso, só amassos, danças e sussurros! Valeu pela postagem, amigão! Abração!

minicontosperversos disse...

alta - até beijinho na boca?

Altavolt disse...

Chapado, às 3 da madrugada, sei não! Acho que deve ter rolado! O homem de verdade às vezes se descontrola ao lado de uma bela fêmea! rsrs

Fernando R. Silva disse...

Hehehe. Lembrei de Cruzeiro das Loucas, com o Cuba Gooding Jr.