terça-feira, 16 de novembro de 2010

O que o cu tem a ver com a cueca - o conto

O Zé estava recém separado e a ex-mulher dava um jeito de aparecer na casa, com ou sem ele dentro, para dar uma "cuidada" nas coisas, nos dois sentidos. Nas negociações ela quis sair, pois a casa traria lembranças. E ele caiu na bobeira de não mandar trocar a fechadura, procedimento ótimo para evitar as brigas estúpidas das separações — que acontecem sem distinção de classe e credo, com gente evoluída e gente tosca.

Enquanto isso, já que homem não consegue ficar sozinho, o Zé arrumou uma namorada novinha, bonita que só ela, distraída dessas que não ligam para frescuras de ex-mulher, filhos e separação recente. E que adorava mimar o Zé com presentes.

Para complicar, o Zé tinha uma diarista que cuidava da casa há anos (desde recém casado), senhora de respeito, e que de vez em quando o presenteva, pois ele ajudava sempre que ela precisava. E como a diarista prestava um "serviço de informação" para a ex-mulher, de boa vontade, pois torcia pela volta do casal, é possível que a culpa motivasse mais eventuais presentes.

Essa tripla introdução veio para ilustrar o angu em que o Zé se envolveu. Era época de Copa do Mundo e um dia ele abriu a gaveta e lá estava uma patriótica cueca boxer verde-bandeira, com BRASIL escrito em amarelo. Bonita, de marca, mas... como agradecer o presente? Uma simples menção para a autora errada da gentileza (sim, poderia ter sido qualquer uma das três) desencadearia problemas que o Zé estava longe de poder ou querer resolver. A solução foi engolir a curiosidade e ficar bem quieto. Melhor passar por ingrato que escutar griteiro.

:: 05.05.2008 ::

18 comentários:

minicontosperversos disse...

Depois de algum tempo longe do nosso "core business", cá estamos, com essa pequena peça que, por motivos óbvios, demoramos publicar.

O "o conto" depois do título justifica-se por este post aqui, antiguinho e bem divertido.

Ah, e nas conversas etílicas do FDS surgiu uma história bem parecida (versão calcinha roxa), mas essa, demoraremos mais uns dois anos pra publicar.

Vampira Dea disse...

Ah! eu adoro o Zé.
Agora independente de qual das três foi, acho bem brochante uma cueca verde e amarela escrita Brasil. Quero lá na hora H estar pensando em, futebol, ordem, progresso, Lula ,Dilma? Mas se ele pensou na senhora dos serviços me passei, ele paga a ela com favores sexuais? Esse Zé não perde tempo mesmo. Acho que ele fez muito bem passando de ingrato.

miKroPOESIAS disse...

Hipóteses meu caro watsongus:
Se a cueca verde-amarela estiver com:
a) cheiro de incenso ou café cÙado, foi a ex-esposa
b) cheiro de ônibus lotado foi a diarista
c) com cheiro de baunilha foi a namoradinha nova
d) com cheiro de loja de R$1,99 foi o pão duro do Zé que comprou (não trocou a fechadura e não quer gastar com o advogado), além disto está com a memória fraca de tanto atender as 3.

Moska de Bar disse...

Porra esse negócio de achar outra cueca (que não a dele) na gaveta gera algumas suspeitas. Espero que o meu brother Zé não esteja escorregando no quiabo...rs
Abraço, Gustavão.

Afrodite disse...

Adorei te ler outra vez!
E vou comprar pelo site que vc indicou!De presente de aniversário PRA MIM!!!
kkkkkkk
Beijo!

Menina Misteriosa disse...

Essa coisa de manter a diarista da época do ex é um perigo. Fui 'vítima' do mesmo erro. Mas não no quesito presentes. E sim com relação a tamanho (o contrário do seu conto antigo) e material.
A renda é cara. Foi a melhor explicação que pude pensar, na hora do susto da pergunta.
Até escrevi um continho sobre isso. Quando meu blog estiver acordado, publico e te aviso.

MeninaMisteriosa

Anônimo disse...

Bobinho vc em Gustavão!!!

minicontosperversos disse...

Vampiradea - Vamos fazer uma analogia pra não pegar mal: dependendo do recheio, até calcinha beje puída acaba ficando atraente

Miro / Vampiradea - Aonde tá escrito no continho que o Zé "pegava" a diarista (leia-se senhora de respeito)?

Moska - Jamais macularíamos a reputação do Zé com uma história pederástica. Caso surgisse uma, daríamos outro nome

Afrodite - Avise quando for o dia que fazemos a festa!

Menina Misteriosa - Avisa quando publicar sim, porque não entendemos o lance do tamanho: o rapaz usava cueca de renda pequena?

Anônimo - Se chamos de gustavão é porque é camarada, e se é camarada, sabe que tendemos a patetices românticas sim!

Raoni Moura e Carolina Zuppo Abed disse...

Grande Zé(mané)...

macho que é macho não troca de mulher nunca!!

Vampira Dea disse...

Ah não Gustavão, não me venha com essa de calçola beje,ontem até respondi no twitter a Fernando sobre o tema. Acho isso tão sério que se na hora H eu estiver de calcinha beje murcho na hora.Se ele não brocha, brocho eu.E olha que não tenho frescura,mas isso é de doer.
Agora quanto a senhora de respeito, de respeito mesmo tem pudor não vai dar roupa íntima pra homem

Única e Exclusiva disse...

o cú é essencial neste quesito. brochante cueca do brasil. tadinho do Zé, o defendo ate a morte, ele n come a senhoria da limpeza, agora se ele me quiser, passo meu endereço, e compro cuecas novas pra ele.

=*

Sentimentalidades-Todas disse...

O Zé é mesmo inteligente, diplomático até...
Pra que se desfazer das suas "senhouras"?


Vou seguindo pq é preciso rir. Ou ser mulher inteligente. Ou ser perversa. Ou tudo junto!

Abraços,
Mônica

Pâmela disse...

Verde e amarela?
Broxante. E fácil de descobrir quem deu...

minicontosperversos disse...

Raoni - Verdade. Trocar, jamais. Acumular, sempre!!

Vampiradea - Como contestar aergumentos tão fortes? Resta-nos concordar e não usar cueca beje de elástico frouxo jamais. Pois neste mundão sempre tem um "vai que"

Ú&E - Jamais dividiríamos acepipe tão saboroso e refinado com aquele traste do Zé

Sentimentalidades - Seja bem-vinda. Mesmo porque, rir também é sentimento. Mas cuida, porque muitas vezes o MCP faz chorar. Quase sempre sem querer

Pâmela - Bela jornalista-analista. Fazia tempo hein? Muido boa essa sua dedução. Daremos a dica ao Zé

Vampira Dea disse...

Pois é...assim é a vida.Calçola beje e cueca furada, sem elástico ou pior manchada de agua sanitária somente quando tiver certeza que está só em casa.E sou tão paranóica com isso que pela minha cabeça já passou: E se eu for atropelada e qd chegar no hospital tiver de calcinha furada:!!!!!Nãoooooooooooooooooo
Campanha por calcinha e cuecas sempre legais! Cuecas box branca (lindas), mas barrigudo de cueca box nãoooooooooooooooooo
Nem precisa na verdade ser a roupa íntima chique, ou sensual o que eu falo é de se manter a dignidade.Olha só se n tiver jeito meu povo deixa solto rsrr

minicontosperversos disse...

Mancha de água sanitária?

Bela: quero ver é você enfrentar uma freada de fusca!

RPPNs YASUDA disse...

Conto muito bom, lembra a vida como ela é do Nelson Rodrigues em que o cotidiano se torna arte na mão do bom escritor.
Como leitora fico imaginando como vc consegue ter essas idéias fantástica e ao mesmo tempo simples da vida.

Tata disse...

Putss eu jurava que quem tinha dado a cueca era a empregada!?!?