segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

O natal “emochocrível” de Salete

Salete era consumista, e para azar do namorido dela, ganhava pouco. Mas isso não era problema para ele, homem rico. E casado. Não com Salete.

Era perto do fim do ano quando a salafrária topou fazer uma festinha com o namorido e uma amiga. Ganhou um presentão de Natal. Ele a levou numa concessionária e deixou que escolhesse: “Gosto de carro pequeno, que cabe em qualquer buraquinho. Quem tem que ter traseira grande sou eu”. E uns baitas airbags tinha a safada. Como boa perdulária, escolheu um compacto sim, mas completo, e ainda recheou de acessórios.

Ficou feliz da vida com o “Arnaldinho”, como batizou o carro. E como a mobilidade ajudou na vida de Salete. Atravessava a cidade em minutos, não se atrasada mais para os compromissos. E não dependia mais de táxi para levar a sacolaiada de compras do shopping para casa.

E como tinha ganhado o carro, resolveu recompensar o mundo ao redor (e não agradecer a deus, de quem se dizia crente o tempo todo). Foi no shopping e comprou presente para a família toda, para as amigas, para o namorido e arriscou até um presentinho para o filho adolescente dele.

Salete foi juntando sacolas e sacolas e apinhando no carro. Na terceira remessa percebeu que não cabia mais nada. Então, fazer o que? Primeiro, mandou mensagem para o namorido, que não pôde acudi-la por estar num compromisso com a esposa. Salete estava desolada, não sabia o que fazer. Foi então que teve uma ideia genial: chamou um táxi. E antes de partir em caravana para casa, ainda comprou mais uma remessinha de presentes, agora os dela. Cartão do namorido, óbvio!

Chegou em casa, vestiu uma lingerie maravilhosa e romântica que comprou, subiu nas sandálias de saltos altíssimos, colocou touquinha de papai noel e fez fotos no espelho. Mandou para o namorido (provocar) e para o ex-namorado-e-ainda-amigo-colorido (convidar).

Natal é época de dar. Talvez por isso Salete sempre foi uma entusiasta da efeméride. Ela amava o natal, a família, o namorido e tinha uma bunda maravilhosa.

:: 09.10.2013 ::

5 comentários:

minicontosperversos disse...

HO-HO-HO

Continho otimista de fim de ano,para alegras as leitoras e os leitores heróis da resistência.

Escrito originalmente para a revista Sobre Rodas, por isso o tema.
http://issuu.com/revistasobrerodas_/docs/sr_01_web

minicontosperversos disse...

Página 66.
Ficou ótima a ilustração.

Junior Gros disse...

Conheço tantas Saletes.

Vampira Dea disse...

Realmente as pessoas gostam de dar no Natal rrsrs

Anônimo disse...

Sobre DAR - eu ganhei o presente mais incrível e útil que podería ganhar: um PA novo, delícia, adoro uma novidade de fim de ano.