domingo, 18 de outubro de 2009

O oral

Sempre sonhou ser bombeiro, astronauta, músico ou escritor. Profissões que atrairiam mulheres, pensava. Apesar disso, seguiu a profissão do pai. O velho, no leito de morte, tentou dizer algo, “oral... pesquisa... prazer...”, mas se esvaiu sem concluir a frase. Ele, no torpor do momento, perdeu-se nas entrelinhas. “Dar o último prazer a meu pai? Seria isso?”, mensagens subliminares nunca foram seu forte. Interpretou simploriamente o vago recado e, resignado, tornou-se dentista.

Os anos passavam de forma lenta e dolorosa. Trabalho por obrigação, não por prazer. Até havia prazer no local do trabalho, mas outro tipo. Seu rosto bem talhado, corpo privilegiado e sorriso largo eram convite ao pecado. Seu consultório vivia cheio, frequentado por 90% de clientes mulheres. “Aqui não sentimos medo do motorzinho”, diziam elas.

Uma "consulta" mais acalorada, um velho arquivo derrubado. Ao arrumar a bagunça, encontrou uma caixa com o título "O ORAL". Pensando se tratar de mais trabalho, quase jogou fora, mas algo chamou sua atenção, reavivou a memória. Abriu então a caixa e, boquiaberto, defrontou-se com anos da pesquisa do pai sobre o oral. Tudo catalogado, com nomes, datas, impressões acerca do tema. Experimentos e observações, dicas e instruções.

Enfim a descoberta: moldes dentais, radiografias de boca inteira — periapical completa, panorâmica — decifrariam segredos. Identificariam as mulheres que, por características anatômicas, carregariam habilidades plenas em propiciar o oral. Finalmente a profissão lhe daria prazer por si só, um prazer certeiro e direcionado.

:: 04.10.2009 :: Historinha relatada pela Dra. Lu (sem mais detalhes)

15 comentários:

Toninho Moura disse...

A pesquisa é válida. Não dispensa a experimentação, é claro.

Altavolt disse...

Muito bom o MCP da Dra. Lu! Mas...voltemos ao concurso! rsrsrs

A Senhora disse...

Agora entendo porque cada vez mais vejo consultórios de casais. As dentistas estão ficando na marcação...

bjs

Hélio disse...

a dra. participou da pesquisa? passou no teste?

Mari - é como quero ser chamada. disse...

Mas esse Altavolt tá safadinho não?Só quer saber de concurso agora...rsrsrs

Vampira Dea disse...

Rapaz agora me deu medo de ir ao dentista...

Altavolt disse...

Culpa sua, Mari! Quem mandou começar essa tentação! rsrs... Beijo!

Flavinha Mel disse...

Concordo com a Vampira.. Vai que eu não sou aprovada segundo os critérios escolhidos??!!

minicontosperversos disse...

toninho - pelo jeito, o velho dentista experimentava bastante

alta - essa rapaziada perde a compostura diante de um rabo de saia

sraaaa. - se fosse tudo levado ao pé da letra assim, os taxis iriam todos a falência; quem chamaria um taxi xom casal dentro?

Comentário derivado de uma piada de português, já que no original anda proibido contar, depois do vexame da Maitê

Hélio - Deixamos pra ela responder (e daí, Dra. Lu?)

Mari - É bom você ir aprendendo

Vampiradea / Flavinha Mel - Por que? Com um diagnóstico desses na mão toda mulher pode buscar aprimorameentos...

Damos o maior apoio

Carol disse...

Vampira Dea/ Flavinha Mel, eu, agora, perdi de vez o medo de dentista... penso nas possibilidades interessantes... Imagina ser aprovada, com um laudo científico (ou não) comprovando a anatomia privilegiada! ;)

Sujeito Oculto disse...

Hmm... da próxima vez vou pedir a ficha dentária.

minicontosperversos disse...

Diz que o cara vai leiloar a tal caixinha no e-Bay.

Agora... por que será que o pessoal comenta mais quando tem foto de mulher mostrando as partes, hein?

Curinga disse...

Sobre este conto diria... intrigante. Aliás, como a Dra.Estou sempre ouvindo seus passos, mesmo qdo ela não usa saltos. A imagem é dela, mas o perfume não. Os gestos mesclam a doçura e a intensidade do que “perversamente” se tenta desvendar. Mas não.Não tem como. Ela é manual, o que “oralmente” se poderia explicar, mas sinta como ela o foi em seu conto. Simples, direta e querendo realizar-se.

minicontosperversos disse...

Carol - que é isso de fazer fosquinha com dentista agora?

Sujeito Oculto - ouvimos falar que as moças com os incisivos proeminentes ganham das banguelas

Curinga - tentamos traduzir o compêndio: tá dizendo que a dra. bate uminha bem?

Henrique disse...

Dra. Lu? Não conhecia este seu lado. Uma descoberta envolvente.