segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

Tudo pode terminar bem

A luz matinal me acordou e tive a sensação de uma lâmina atravessada na cabeça. Como percebi o sol que entrava muito forte e alto, estremeci por achar que estivesse atrasado. Então lembrei da grande festa de ontem, que era sábado.

Virei para espreguiçar tranquilo e percebi que não estava sozinho. Sensação sempre desconfortável. Quem será? Por que será?

Abri os olhos com dificuldade e me virei tenso como quem não lembra como terminou a noite. A luz incidia sobre ela valorizando cada traço delicado do rosto. Ela abriu os olhos meio borrados e sorriu. Como alguém pode acordar linda desse jeito?

Segundo momento de desconforto nem um pouco amenizado pela dor e pressão na cabeça. Qual o nome dela? O que fizemos juntos noite a dentro? Mexi o corpo no lençol, percebi que estava nu. E ela? Me abraçou como quem estava ali não porque me queria, nem como quem queria alguma coisa de mim, abraçou simplesmente por estar feliz: “Bom dia, lindo!”

Cabelos longos e alinhados, pele macia, olhos brilhantes, calcinha pequena de algodão, os seios apontados roçando meu peito. Sensações agradáveis que me fizeram esquecer um pouco a ressaca. Admirei aquele momento como quem, perdido em dívidas, sorve um objeto do desejo inalcançável. Eu tinha dúvidas, e algumas dívidas, mas que deixaram de importar.

:: 08.01.2014 ::

5 comentários:

Guilherme Krug disse...

Num momento como esse nada mais importa.

Excelente texto! :D

Vampira Dea disse...

Nunca fiz um comentário como esse aqui rsrsr
Achei lindo.

primo ferreira disse...

Bons contos, belos, apesar de perversos.

Valéria disse...

Sim, esse foi um lindo conto mesmo! :)

Valéria disse...

Sim, esse foi um lindo conto mesmo! :)