sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

Maior ventania registrada nos últimos 100 anos

O Zé (não o dos contos, este é outro) é um grande amigo nosso, da TS-85 (que raios é isso? nem no google tem) que está em exílio intencional na França. E como era de se esperar, tá com banzo. Saudade, amigos, deixa a veia poética aguçada. O que publicamos abaixo não é exatamente um conto, mas um depoimento do que ele viveu na real há algumas semanas, no inverno francês. Ele escreve com o coração, cinismo e muito talento (cadê o blog, Zé?)

Zé Gasparin, de Tolouse, França - Maior pé-de-vento aqui no final de semana que passou. 130 km/h com rajadas de 170 km/h. Encontro de duas baixas pressôes no Atlântico, que atravessaram o norte da península Ibérica, Espanha e sul da França (paralelamente aos Pirineus), chegando no Mediterrâneo e atingindo também a Córsega (lá onde exilaram Napoleão). Avisos e alertas vermelhos a partir de sexta à tarde.

Na sexta à noite (início previsto da "tempête parfaite": quatro da matina de sexta para sábado), saí para verificar a segurança das venezianas, a posição dos carros no pátio pra não correr risco de preju, juntar alguns brinquedos da Maeva que ficam fora. Estava incrivelmente calmo, céu estrelado, tudo parado, prenúncio de uma grande cagada. Como nos filmes, nem passarinho piava. Incrível como a natureza manda suas mensagens, basta a gente estar ligado!

Pois bem, veio a ventania tal qual anunciada. Acordamos algumas vezes com o assovio do vento e balançar das janelas (antigas, 2,80m por 1,20m de largura). Mas como moramos no térreo e o castelo e sólido (construído no século XII e "reformado" no XVI), fiquei tranquilo. A Maeva dormia como anjo, isso era o mais importante.

Sábado cedo, tomando meu café, susse, o vizinho aqui do castelo que mora no segundo andar bate à porta: "Bonjour José!". Disse que não via a copa da árvore do vizinho de sua janela, tampouco o carro da Elena no estacionamento! E deu um sorriso de canto de boca. Pensei: "Típica história do gato no telhado". Agradeci e tranquilamente terminei meu café, já que ventava muito forte ainda.

Perto do meio-dia fui ver o estrago e fiquei de cara! O vento, de tão forte, quebrou a metade da árvore (de uns 4 m) do vizinho, que andava meio podre, arrastou-a uns cinco metros, forçou a cerca que divide o jardim ao lado do estacionamento do chateau (amassando-a como papel), vindo se aconchegar sobre o Yaris (Toyota dos pequenos) da Elena. Estrago: capô em "V" e parabrisa estilhaçado. Um "S" de um dos galhos de uns 25 cm de diâmetro parou a uns 3 cm do volante... O outro pedaço da àrvore "assentou-se" sobre o tanque de gasolina e guidão da Guzzi 1200 do vizinho. Essa pouco rodada. Fiquei com pena dele.

Tirei várias fotos pro seguro e depois foram 40 minutos com uma motosserra emprestada para "fazer lenha" da arvore tombada. Senti-me um idiota por ter saído na noite anterior, olhado as árvores e não antecipado a possível queda da árvore do vizinho.

O seguro já se encarregou de tudo (aqui não tem PT quando as despesas superam 60% do valor do veiculo, mas quando passam 24 horas de mão-de-obra!!). Hoje entregaram o carro reserva. Aguardamos a avaliação do perito sobre o futuro da caranga.

Três pessoas morreram nesta ventania toda. E vejam como quando chega a hora, não tem como escapar:
- um parado no sinal vermelho, quando uma árvore quebrou e caiu sobre seu carro;
- outro saiu por dois minutos juntar qualquer coisa no terreno quando foi atingido no pescoco/cabeca por algum objeto que estava "voando" na ventania;
- um terceiro, apesar dos avisos para todos ficarem dentro de casa, estava descendo uma montanha de carro quando o vento o tirou dos trilhos da pista, o carro escorregou no gelo e, sem controle, "blam-blam-blam" montanha abaixo.

Domingo saímos no meu Renault Diesel ano 86 véio de guerra (nesse a arvore não caiu em cima!) e vimos árvores tombadas e arrancadas com raiz e tudo, muros seculares tortos ou caídos, postes atravessados, sinaleiros virados pro lado errado etc. Percebi que não fomos tão desafortunados assim.

Até fiz uma fezinha na Euromillion que, nesta sexta, tá acumulada em 28 milhões de euros. Se eu ganhar, tá todo mundo convidado pra vir degustar as iguarias da região sudoeste, acompanhadas do vinho local... pra celebrar a vida!!! [ganhou, Zé? podemos reservar as passagens?]

16 comentários:

minicontosperversos disse...

Se alguém "googlar" uma notícia sobre o ocorrido e colar aqui, vai ser bem bacana.

Sweet Toxicant disse...

Caramba!!!

Eu encontrei algo... http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2009/01/25/sudoeste+da+franca+volta+ao+normal+apos+maior+tempestade+em+10+anos+3604987.html

Que triste!

Sweet Toxicant disse...

Ah... o endereço não saiu completo... talvez esse saia

http://oglobo.globo.com/mundo/mat/2009/01/24/ventania-fecha-aeroportos-deixa-sudoeste-da-franca-sem-luz-754129828.asp

Anônimo disse...

Grande Zé - Salve! Blogando, entonces!
Abrax generalis, Mitnus

Alessandro disse...

Idéia pra um site com notícias postadas por quem está no olho do furacão (nesse caso, literalmente).
Jornalismo verdade e diversão garantida (desde que escrevam como o Zé).

A não ser que o Zé tenha se mudado para o departamento de Toiret, não há chance de ter sido o premiado do Euro Million (o prêmio saiu em 30.01.09).

A Senhora disse...

Caramba! Eu gosto de dormir com barulho de vento e chuva, mas não sei se mudaria de idéia com uma ventania dessas.
Boa sorte, Zé!

Flávia Batista disse...

viiiiiixi...

Kiara Guedes disse...

andando por ai, cheguei até aqui. instigada pelo nome do blog, gosto dos contos mini, achei engraçado vc dizer que não se trata de um contista preguiçoso (rsrs)... existe isso? existe mesmo essa "facção"?...
que bom que algum vento me trouxe até aqui!
Abraços

Charlotte disse...

desculpas Gustavo...
Para além de ter lido teu recado meio tarde (hoje), eu ainda estou com uma infecção de garganta violenta. Antibióticos por 1 semana.

Anota o e-mail, mais fácil de combinarmos alguma coisa...

karinemaza@hotmail.com

Beijos

Renatinha disse...

E o vento (me) levou.... by

Luciene de Morais disse...

Que ventania! Excelente narrativa do Zé!

Renatinha disse...

Gus, foi o vento que levou o 'e'.. bye

minicontosperversos disse...

sweet tox - obrigado, bela. ficamos te devendo essa

mitnus - a estrada é florida, mas cheia de pedras

alessandro - pelo jeito não foi mesmo...

mirian - nossos ventinhos são moleza perto dos deles

flávia - aí no maranhão, só no solzinho, né?

kiara - seja bem-vinda; ótimo que vc tenha flutuado nesses ventos até aqui; bela sua metáfora e... sim, tem gente preguiçosa em todas as esferas de conviv6encia e pensamento humano; confessamos que am alguns momentos somos bastante preguiçosos

chalotte - beleuza, esperamos a garganta voltar ao normal

renatinha - levou, bela, praonde? e... bye

luciene - é, do outro zé...

Altamir disse...

Vento forte no MCP! Gustavão, tive apenas alguns contatos com o Xico, por e-mail, mas não conheço o cara pessoalmente. Abraço!

Mari - é como quero ser chamada. disse...

Demora pra me responder assim não...
Está muito ocupado guapo???Diz que está apressado...

Renatinha disse...

Levou para longe. Mas vou estar sempre por aqui.