sexta-feira, 30 de março de 2012

Até que provem o contrário, ele comeu todas

Presente de aniversário que ganhei da Patrícia. Veio dar mais cor (fatal blonde) ao MCP. Obrigado!

Juarez não teve sorte com o nome, apresentava-se com alguma dificuldade para as garotas. Até descobrir que nome não importava para a maioria delas, mesmo porque, no dia seguinte ninguém se lembrava de nada.
- Nós transamos?
- Onde estou?

Vestia-se com certa irritação estendendo a calcinha e o sutiã para a extraviada. Seu sorriso sarcástico respondia.

E foi levando assim, cansado daquela ausência depois do sexo, mas o estoque de camisinhas ainda acabava com certa rapidez.

Até aquele dia.

Quando nem a chuva fina atrapalhou seus planos. No barzinho que os amigos escolheram chegou um tanto desanimado. Mas não foi o som de Jimi Hendrix que o animou. E na brincadeira de caçar, Juarez pela primeira vez foi caçado. Envolvido na silhueta à sua frente, não conseguiu desviar o olhar dos seios dançantes, fartos, pele branquinha. Imaginou o bico rosado. Ela se aproximou de mansinho, como uma leoa atrás da presa.

Sob os lençóis, sóbrio como nunca esteve, lamentou o sono profundo da Deusa. O estoque de camisinhas ficou intacto naquela noite. Mas o dia seguinte não foi tomado pelo vazio.
- Nós transamos, Juarez?

Estendeu a lingerie e a galega de pele macia compreendeu, respondendo com um beijo quase apaixonado. O segundo encontro aconteceu não tão logo quanto desejou. E desta vez ela lembraria mais do que seu nome...

Depois de tanta selvageria, algumas camisinhas decoravam o tapete.
- Nosso primeiro encontro foi tão orgástico como este?, perguntou curiosa, com um brilho intenso nos olhos.
- Igualmente delicioso! E desta vez nenhuma camisinha se rompeu.
- Hum, isso explica porque estou grávida de você, querido!

"Jamais diga uma mentira que não possa provar."
Millôr Fernandes

8 comentários:

Maria disse...

Aí vem o exame de DNA e acaba com toda poesia. Triste.

[foda esse conto]

M.M. disse...

Juarez "morreu" pela boca, em dois sentidos.
Se tivesse parado no "delicioso!"... um a menos!

Paty, muito bom o conto!

MM

Paulo Francisco disse...

Concordo com M.M.
Muito bom!
Um abraço

Bem Resolvida disse...

Juarez não mandou a mulher tomar uma pílula do dia seguinte...tava pedindo....

tem fotinhos no blog da gauchinha http://gauchinhaardente.blogspot.com.br/2012/03/extra-extra.html

hahah prometo q uma hora tiro pro mcp. é q tenho q pensar como tatuar mcp no corpo :P

Ariel disse...

HAHAHAHAHAAHA!
Meu, já no primeiro parágrafo que surtei de rir.

Patrícia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Patrícia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Patrícia disse...

Maria: Pois é, um relacionamento que começa assim. Tem que ser foda para o cômico.

M.M: Obrigada Menina. Tem homem que fala demais!

Paulo: Obrigada! Conheça mais desses lá no meu blog http://bocarara.blogspot.com.br/

Bem Resolvida: Como na primeira vez, a verdade é que não houve transa, não ia resolver a pílula.

Ariel: E esse nome me inspirei num policial,o Juarez. E quando sai com uma mulher, faz mistério e não conta como se chama. Só o conhecem pelo apelido, mas esse não posso divulgar de jeito nenhum.