quinta-feira, 27 de novembro de 2008

Aprendizado de química e empreendedorismo pelo método empírico


Um dia o Zé ouviu falar de lança-perfume, que lá no passado era liberado usar no carnaval, que dava um barato engraçado. Só que não é fácil encontrar as bisnaguinhas do "Aromatizante de Ar Universitário".

Numa festa de garagem a turma deu de cara com um pessoalzinho circulando um tubo de desodorante e caindo pra tudo que era lado. Descobriram o tal loló (leia mais)

24 comentários:

minicontosperversos disse...

Próximo capítulo: chá de fita.

minicontosperversos disse...

Isso explica aquela lenda urbana de que o antigo desodorante MISTRAL dava barato.

Ah, sim, falavam também daquele impermeabilizante da 3M... Imagina como ficam os pulmões do cara depois de inalar impermeabilizante!

minicontosperversos disse...

E na falta da essência o pessoal comprava babaloo, abria com canivete e jogava aquele caldinho no tubo. As mães deviam pensar "mas essa gurizada anda comendo muito chiclete mesmo".

Acho que estamos ficando "esquizo". Coisa louca isso de postar e a gente mesmo comentar em cima. Ok, hoje este é o último.

Kátia Flávia disse...

Hoje é comum ver nas festas em Pinhais tubinhos de cloro vendidos por 10 reais. Um potinho assim, daqueles de remédio amostra grátis. Aí, o cidadão vende aquilo e em um dia ganha uma nota preta. Um dia, um amigo veio com uma latinha de skol, calor do cacete, no meio da festa, e apontou a lata pra mim. Dei um super gole achando que era Skol e era Clorofórmio. Cuspi aquilo e fiquei uma semana sem sentir o gosto de nada na boca. Na hora me deu um toque na cabeça e tudo ficou em silêncio.

maria disse...

EEEECA! Olha, tenho problema com coisas de procedência duvidosa. Universitário até vai (já foi - é que pros meus lados o produto é escasso), mas a rebordosa não vale o investimento nem a onda que passa rápido demais. Coisas vindas de frascos de desodorante, assim como outras compradas a preços mixórdios, passo longe. Sou FRESCA MESMO. Se é pra ser ilícito, tem que ser com classe! Senão, vou pro meu cantinho com a minha garrafinha de água com gás, toda feliz.

PS: cloreto de etila, princípio ativo do dito cujo, vai e vem da lista de entorpecentes. Não sei se no momento consta por lá. Mas durante muito tempo esteve fora e muita gente sem saber que podia consumir lança sem problemas. Inclusive, a polícia sem saber, ou fingindo não saber.

Mary West disse...

Aki até tinha bastante. Mas parece que o mais famoso traficante se mudou e todo mundo agoura tem que curtir micaretas na sobriedade.

Bem Resolvida disse...

cruz credo!!
tudo isso longe da minha pessoa, amém!!!

Flávia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Coisinha disse...

Na ilha do mel ainda impera a lei da permuta,mas a coisa está mais fina.
chá de fita,só faltou fluido de zippo.
que adianto, só dá um enjoo do cão.

louise disse...

olha, aguardo mais informações sobre o tal "chá de fita", cuja existência só fui saber há 2 anos...

Queria saber se alguém sobreviveu a isso! Juro!!

*vc tá se entregando, hein? hahaha, desodorante Mistral?? PUTZ!!

minicontosperversos disse...

kf - amigão o cara hein? ainda bem que não era boa noite cinderela; vc ia acordar toda "doída"

maria - quando sair da lista, avisa o pessoal aqui

mary - ahan... AHAN... TODD mundo curte a micareta na sobriedade

bem resolvida - amem!

flávia - exatamente; esse rapaz é um abnegado, um verdadeiro altruísta

dona coisinha - por coisa fina se entende...

minicontosperversos disse...

lou - nos entregando em que sentido?

Alessandro disse...

Muito bom. Você trabalha bem o "timer" da ironia.
Apesar da história, por si só, já ter graça (independente do seu lastro com a realidade), a forma de contá-la é realmente talentosa.

Louise disse...

sabe das "coisa", hahahaaa

Flávia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
minicontosperversos disse...

alessandro - obrigado, rapá! dá uma olhada nas mais antigas e vc vai simpatizar pacas com esse tal desse zé

louise - nada, a gente só ouve falar por aí

flávia - a definição mais exata do inferno na terra; ou de que o inferno pode sim ser aqui

Charlotte disse...

uia!
lembro que minha primeira experiencia com "drogas" foi o lolo... coisa boa! haha
Com direito a amiga apagando e tudo!
Muito boa a história...

***

Sobre a coragem: HAJA CORAGEM.
É doloroso demais, mas todo amante-mal-amado adora uma tortura.
Meio sado-masoquista...

Kátia Flávia disse...

engraçado isso do Guairinha, vou me informar, não pode ser coincidência né? :|

Mariana disse...

Bom final de semana.
Um abraço!

minicontosperversos disse...

charlotte - e a segunda?

kf - é, e pior é que não fomos ver; como foi?

Adrielly Soares disse...

hahahahhahahahahahahahahahahhah
esse Zé só tem amigo do bem.
=X

Charlotte disse...

hahahaha...

atendendo ao seu pedido...

pow, vai me deixar em maus lençóis, mas a segunda tornou-se a definitiva, e nem é droga, apenas um hábito...

não preciso ser mais clara, certo?!

Sweet Toxicant disse...

Hahahahaha!!!

Caramba, desse aí nunca tive curiosidade! Sou mais afeita a processos com efeitos de longa duração... rsrsrs

Renatinha disse...

Tem uma pergunta que não quer calar na minha cabeça... e se o Zé tivesse se animado em montar uma casa de prostituição? Normalmente a resposta seria: se não tivesse dado certo, teria comido todo o estoque... ok. Mas nada de fim de semana na Ilha do Mel, estou certa?