sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Scat (parte 1)

O Zé ia pegar o ônibus Rio de Janeiro - Curitiba lá pelas dez e meia da manhã. Seriam onze cansativas horas de viagem. O fato é que o final de semana tinha sido divertido. O primo carioca apresentou umas amigas, entre elas uma balzaca que sinalizou que ia rolar. O combinado era o Zé passar na casa dela pela manhã antes de viajar, pois era perto da rodoviária e bem a hora que ficava sozinha em casa.

A louca abriu a porta de roupão. Numa examinada rápida o Zé percebeu que não tinha nada embaixo. Daí pra se atracarem foi um pulinho. Pra variar, ele andava na fissura, por isso não reparou que a moça era um "rio caudaloso", daquelas de lambuzar tudo, e no embalo não viu o tempo passar. Às dez e pouco saiu atropelado, nem deu tempo de se despedir direito, muito menos de tomar banho. Quando muito, limpou mal e porcamente na cortina.

Três horas de viagem, o busão para na lanchonete pro povo "desabastecer". Foi aí que a sensação incômoda se manifestou. Parecia que alguém tinha quebrado um ovo dentro da cueca do nosso amigo. Na hora em que ele abriu o ziper e pegou, tateou aquela gosma morna e viscosa, além de sentir uma maré estranha.

(continua)

12 comentários:

minicontosperversos disse...

Scat = corruptela de escatológico

Cassiana disse...

o que, o visgo da jaca tava ácido demais?

pô, conto em partes mata os curiosos né!!!!!

Vampira Dea disse...

LÁ VEM O Zé rsrsrsrsrs

Patricia Garbuio Bittencourt disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Luna Sanchez disse...

Que nojo desse cara!

Beijo, beijo.

ℓυηα

Altavolt disse...

É impressionante, mas quando a gente é adolescente temos uma capacidade enorme de produzir lambanças e scats! Tantos moleques já fizeram cagadas como essa aí do Zé. Ele só foi o porta-voz dos sem jeito e sem noção! rsrsrs

Carol disse...

Não tenho nojo do Zé; afinal, é o Zé, oras! Mas prefiro sem a tal gosma.
E tem mais: acho que foi a cortina! Ela deve ter sido usada antes para limpar coisas beeem piores.

Gosto das mini séries do Zé – um certo suspense e a possibilidade de imaginar ... tudo pode acontecer e mudar [ou não]

iaiá disse...

é tá meio scat mesmo...medo do que vem na parte 2 rs

minicontosperversos disse...

cassiana - como dizia o velho jack...

vampiradea / iaiá - pensem na parte positiva: na segunda parte tudo pode piorar

patrícia - não íamos nem perguntar, mas imaginou encontrar um cara no estado do zé no ônibus?

luna - nessa vida, é possível que já tenha "passado" por algum desse tipo sem perceber; quem sabe até aquele seu pretê bonitinho; nunca se sabe que "fruto" uma casca bem talhada esconde

alta - exato! vai dizer que algum dos rolinbunds deixaria de passar mais 10 minutos com a dona só pra tomar um banho...

carol - olha a mente poluída aí... mesmo porque muita moça bonita viaja de ônibus, estes, invariavelmente cheios de cortinas

Patricia Garbuio Bittencourt disse...

Não encontrei,graças á Deus!Mas tinha duas bichas(nada contra)atrás de mim.Roncando a viagem toda.
bjs

Patthy disse...

Ah esse Zé e suas historinhas espetaculares!!!
Pô, da próxima vez, vê se usa "toallas humedecidas"!!!kkk

minicontosperversos disse...

patrícia - bicha que ronca? afffffff, coisa mais póóóóóbremmm

patthy - assim como o autor deste blog, o zé é ESPADA; que lencinho umedecido o que! e o charme de limpar na cortina, onde fica?