terça-feira, 2 de março de 2010

Quando o moleque malcriado puxa o fio

Tui era hiperativo e traquina, a família até que compreendia. Mas uma das manias dele judiava, em particular a mãe: puxar o fio da geladeira da tomada. No dia-a-dia não incomodava tanto, era secar o aguaceiro da cozinha e acabar de descongelar, no máximo um feijãozinho perdido. Mas em noites de verão ou viagens o prejuízo era grande. De longe se sentia o cheiro de coisa estragada na cozinha.

O psicólogo não deduziu a causa, então deliberadamente os pais, um dia, pra castigar, colocaram o moleque no freezer horizontal e falaram que iam mante-lo ali até congelar. E como toda história só é contada se existe drama, esqueceram de puxar o fio.

Segundo Skinner, há mais humanidade no ato de punição do que se supõe. Mas é daquela humanidade crua, primitiva. Da patologia da permissividade até a insanidade de uma punição excessiva inconscientemente cruel a família chegou à conclusão de que tascar a mão na orelha teria sido um ato mais... sensato. Sim, Tui foi um mártir dos malcriados.


:: 02.03.2010 ::

10 comentários:

Lelli Ramz disse...

seria bem melhor s ele puxasse o fio de algum biquini por aí neh..


q pais inconsequentes...


bjinhus
Lelli

minicontosperversos disse...

Sim, Lelli. Que nem a gente fazia nas praias e piscinas.

A propósito, imaginem a tristeza do pai ao chegar em casa e não ter cerveja gelada...

Marília_dosAnjos disse...

Manda ele(os autores ou o pai) vim buscar aqui em ksa. Huahuhauahu

Há algo atrás dessa puxada(sem ser somente a tomada e a parede), sempre tem. Huhauahuauahu

xerô

Sentimental ♥ disse...

siiim, mas a mania de puxar o fio era de tui e ele estava dentro do freezer...

Cassiana disse...

esquecer pra não lembrar é uma saída.
mesmo porque, logo a vida volta ao normal.

Vampira Dea disse...

Engraçado em CSI ontem passou um episódio que a mãe matava o filho fazendo um tratamento de regressão em que simulava o parto com um cobertor, o bichinho queria nascer e ela não deixou, ele morreu sufocado, que gracinha de mãe.
Sabia que nos necrotérios por aí a fora a galera coloca o defunto geladinho pra segurar a latinha do refri enquanto gela?
Lenda? Não verdade conheci um funcionario que me contou isso, ele fazia, Diz que gela mais rápido.

Anônimo disse...

Aqui em casa o frize tá ligado em 220 com uma gambiarra desencampada, que é pra filho da puta nem sonhar em chegar perto.

minicontosperversos disse...

marília - sempre tem; rebeldia de criança invariavelmente tem causa; na maior parte das vezes, falta de pescoção

sentimental - exato; ele nem pensou em por a mãozinha pra fora e...

a própósito, esse seu avatar parece sabe o que, né? dá até vontade de por dentro

cassiana - deixa vltar ao normal não

rendida

vampiradea - até tuitamos essa parte do necrotério; imagina como deve ser um churrasco do pessoal do necrotério... aquele monte de latinha de skol mas mãos e entrepernas dos presuntos...

anônimo - tem comentário que, de tão bom, valoriza o conto; skinner PURO

sério, seja você quem for, devia comentar mais aqui no MCP

Vampira Dea disse...

Cerveja geladinha, e pessoal nojento satisfeito.
Rapaz esse Anônimo tem que deixar de ser e aparecer mais mesmo, adorei a sutileza dele rsrsrsrs.

Carol disse...

E ele virou 'Santo'. Sim, é um paradoxo; do suplício.
Estou viva hoje graças ao 'Santo Tui', meu mártir preferido. Meu herói.